quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Tudo sobre intercâmbio na faculdade

Parte 1: Colômbia





Existem muitas dúvidas sobre a hora certa de fazer um intercâmbio e principalmente se durante a graduação é um bom momento.

Eu nunca fiz intercâmbio, mas tenho muita vontade de fazer, principalmente agora que já estou na faculdade e poderia escolher um lugar que fosse acrescentar na minha vida profissional. Pensando sobre isso resolvi juntar duas experiências diferentes de amigas que estão vivendo um intercâmbio agora, a Marcela e a Laís. 

Nessa primeira parte vamos conhecer a história da Marcela e seu intercâmbio <3

Marcela tem 23 anos e estuda engenharia mecânica, ela embarcou para Colômbia em agosto desse ano e tem muita coisa legal pra contar pra gente!





"Eu sempre tive vontade de fazer um intercâmbio, mas essa vontade requeria um investimento financeiro muito alto, o qual eu nunca tive condições de arcar, como a maioria das pessoas (rs).

Uma oportunidade real surgiu quando o Banco Santander ofereceu na minha universidade uma bolsa de estudos para países de língua espanhola + Portugal. Os alunos interessados passariam por um processo seletivo como prova e entrevista para ganhar a bolsa e eu não falava NADA de espanhol. Ainda havia outro inconveniente: a bolsa era no valor de 9 mil reais, qualquer valor que eu gastasse acima sairia do meu bolso, e como sair do pais não é barato (passagem de avião + seguro de saúde + visto = muito dinheiro), então além da bolsa eu precisaria de mais grana."


Essa primeira apreensão e ansiedade quanto a bolsa e despesas são muito normais, e além de tudo começa a dar aquele friozinho na barriga de ficar longe da família e de todas as pessoas que você conhece, além de estar indo para um país de língua diferente *O*.


"Então me inscrevi no processo, comecei a estudar tudo sobre os países ibero americanos e também espanhol no Youtube para fazer a prova. Fui muito bem e passei pra fase de entrevista onde me fizeram perguntas como: 'Porque você merece esse bolsa?' e 'Fale um pouco de você.' enfim, havia conseguido uma das 5 bolsas!

Depois disso comecei a 'ir atrás de uma universidade que aceite convênio'. Essa coisa de universidade pública não existe aqui fora, mesmo as universidades do governo cobram uma taxa de matricula semestral. Buscamos por faculdades que trocariam estudantes e assim não cobrariam essa taxa. Para me inscrever na UNAL (Universidade Nacional da Colômbia) não foi muito simples porque eles pediram vários documentos, entre eles carta de um professor dizendo que você é bom aluno e documento de domínio de língua estrangeira."


"Sair de casa e ir para outro país não é fácil. Eu sou muito apegada a minha família então foi muito difícil, chorei muito pra viajar e o primeiro e o ultimo mês me pareceram os mais tensos. Mas tive uma adaptação rápida e boa, primeiro porque eu não viajei sozinha, meu namorado ganhou a mesma bolsa de estudos e nós fomos para a mesma universidade, então isso já ajudou muito. Segundo porque conheci duas pessoas sensacionais, a Andrea e o Felipe, eles ajudaram muito a gente desde o princípio e são um apoio e tanto. Não tenho a menor dúvida que foi Deus quem colocou eles no meu caminho. O povo colombiano é muito bacana, são super prestativos, amáveis e sempre ajudam no que podem. Isso ajuda na adaptação porque se sente segura e querida"

A parte da adaptação é a que me da mais medo *uuuh, medo de ficar sozinha!*. Quando a Marcela falou que ia fazer intercâmbio pra Colômbia eu fiquei tipo: "ahm?". A gente só imagina primeiramente os destinos mais comuns (Londres, EUA, Canadá...), essa diferença é ótima para abrir os horizontes e valorizar também as coisas que nossos vizinhos sul-americanos tem a oferecer.

"Eu não tinha muitas expectativas quanto a Colômbia, na realidade escolhi por dois motivos: os custos de vida era um dos mais baratos e porque era um país que meu namorado gostava. Comecei a pesquisar coisas sobre o país *que não fosse o narcotráfico* principalmente sobre as universidades, aí eu descobri que a UNAL é a 13° melhor da América Latina e se tirarmos as brasileiras ela sobe para 6° posição, isso me fez decidir definitivamente sobre o destino. E foi a melhor escolha que poderia fazer.

Conheci uma cultura maravilhosa, com uma culinária bem parecida com a brasileira, mas ainda assim com suas peculiaridades. As pessoas são diferentes, mesmo sendo alegres e prestativas não são tão abertas quanto o brasileiro e isso me obrigou a reformar algumas atitudes e posturas."

Outra coisa bacana em fazer intercâmbio na faculdade é que você, por ser mais velho, pode viajar dentro do país que escolher e conhecer ainda mais lugares e viver coisas muito legais. Olha a marcela, por exemplo:

"Eu viajei dentro do país e conheci lugares cinematográficos, como o Parque Tayrona que tem praias do Caribe, lugares bem pequenos, lindos e históricos como a Villa de Leyva, e também vivi o oposto, porque viver em Bogotá foi uma experiência e tanto. O trânsito é caótico e a cidade é gigantesca com seus 7 milhões de habitantes, creio que seja parecido com morar em São Paulo. Mas mesmo sendo grande a cidade não perde uma delicadeza singular, que os prédios apresentam em seus tijolinhos." 




Conclusões a respeito do intercâmbio:

"Um intercâmbio sempre muda a alguma coisa em você, são muitas pessoas e situações novas passando pela sua vida e ninguém passa ilesa a isso, mas destacando o que principalmente mudou pra mim seria a projeção que eu fazia da minha vida, de como estaria daqui uns anos. Antes eu queria me graduar o mais rápido possível, arrumar um bom emprego, talvez passar em um concurso, fazer dinheiro pra comprar minhas coisas, viajar e aproveitar a vida. Agora eu quero estudar um pouco mais, seguir na vida acadêmica, fazer um mestrado e doutorado, quero fazê-los em outros países. já comecei a procurar bolsas de estudo em países ingleses ou espanhóis, também quero estudar outras línguas, alemão ou francês..."

Dicas e esclarecimentos:

"De uma forma resumida eu cito a frase mais perguntada durante os últimos meses: 'mas por que Colômbia?' e a melhor resposta é: por que não? Se você já sabe as respostas não deve ir por esse caminho, vá em busca do novo, do que te enriqueça como pessoa, do que te faça crescer, jogue o medo num canto e o preconceito no outro e receba o que a vida tem pra te dar.

Deixo também registrado o meu amor pela Colômbia, e a sugestão pra que todos pesquisem no Google sobre esse país maravilhoso. Sou muito grata por esse experiência."



"-não, o narcotráfico não é a principal atividade econômica do país.

-não, eu nunca me senti insegura morando em Bogotá, ao contrário, me sinto mais risco no Brasil do que aqui.

-sim, as FARC existem, mas os pontos de guerrilha são hiper longes, lá no meio do mato onde não mora ninguém.




Não sei vocês, mas amei esse post, agradeço demais a Marcela pela disposição em dividir toda essa história aqui no Blog, tenho certeza que muita gente vai se sentir inspirado *como eu estou!!* a fazer um intercâmbio e também a conhecer a Colômbia. Pra quem quiser seguir ela no Instagram e ver outras fotos do intercâmbio o perfil é: @maluparelli

Como disse lá no início vai ter Parte II desse post sobre 'Intercâmbio na faculdade', é só acompanhar pela nossa página no Facebook, sempre divulgamos posts novos por lá. 


Um beijos em vocês e até mais :*
 :