domingo, 28 de fevereiro de 2016

O elevador do meio

ilustrador da Malásia, Tang Yau Hoong, os e SEUS TRABALHOS GRAFICOS Super Inteligentes:




Outro dia estava eu, na fila do elevador, quando comecei a reparar nas conversas paralelas que surgiam entre os desconhecidos; assuntos sobre o clima (sempre há quem puxe sobre o calor), assuntos sobre a demora do elevador, assuntos sobre algum caso terrível noticiado recentemente. É quase sempre a mesma coisa, as pessoas estão ali presas a fila de espera do elevador, os olhares se cruzam, um sorriso meio torto e amarelo e o comentário saí como um pedido de desculpas por ter encarado o colega ao lado: "quente, não?!", o outro quase que agradecido por alguém tirar a monotonia da fila comenta algo sobre a previsão do tempo que passou no jornal. Os bate papos são assim, em geral, sem muitas alterações ao longo de semanas.
No entanto, um dia boatos correram sobre o elevador que caiu. O elevador não chegou a cair de verdade, mas há quem relate com detalhes como o elevador saiu do 3° (ou seria 4°?) andar e foi parar no térreo. Depois desse dia algumas coisas mudaram nos assuntos da fila. Os que frequentam esse prédio com maior assiduidade parecem se sentir um pouco responsáveis por avisar os colegas que estão esperando na fila. Agora os olhares mal precisam se encontrar, os comentários podem sair até como quem pensa alto ou depois de um futucão no ombro alheio: "ei, eu não iria nesse elevador do meio, parece que caiu um dia desses...". Mesmo que a frase tenha sido direcionada a uma pessoa apenas, a fila inteira se movimenta em torno do assunto do elevador que quebrou, caiu, parou entre andares... Na verdade ninguém mais sabe qual o problema do elevador. Ainda tem os indivíduos que chegam e querendo demonstrar alguma preocupação perguntam ao vigilante em alto e bom som: "já consertaram o elevador do meio?", depois dessa frase ninguém mais quer saber do pobre elevador do meio. 
Penso em perguntar aos funcionários que trabalham na entrada do prédio sobre o real problema do elevador, mas tenho certeza que começaria de novo a comoção em torno do drama e afasto a ideia. Melhor continuar torcendo para que o assunto ainda renda muito bate papo na fila, afinal de contas quem teria coragem de tomar o elevador que caiu com tantas confirmações do acontecido? Quanto a mim, continuo subindo, quase sempre, sozinha no elevador do meio.





Quem nunca teve que esperar em fila de elevador e foi surpreendido com conversas aleatórias? Me conta sua experiência aqui em baixo nos comentários, não esqueça de assinar o nosso Newsletter aqui ao lado <<<< e curtir a nossa Fã-Page no Facebook, assim você não perde nenhum post novo! 

Um super beijo em vocês e boa semana! 



Hanis: